Em fevereiro de 2003, eu comecei um blog, o Na Rua, que mantive atualizado até 2009. Muitos começos se encontravam naquele blog: o jornalismo, a fotografia, alguma militância. Gestos que esboçavam alguma autoria.

Mas o começo não está necessariamente na origem. Um começo não passa de um ponto arbitrário na espiral de um vórtex, para usar a palavra de Walter Benjamin (1).

Em 2011, pesquisando para um projeto do Coletivo Garapa, descobri em Milton Santos a palavra palimpsesto, descrevendo a sobreposição de épocas que se pode ler nas fachadas da cidade. Em sentido literal, essa palavra estranha designa um pergaminho cujo texto original foi apagado para dar lugar a outro, mas que nesse apagamento manteve resquícios daquele sob a nova escritura. Cidade-linguagem.

Alguns dias atrás, encontrei na web uma notícia sobre o Lago Taal, nas Filipinas. Dentro do lago há um vulcão em cuja cratera formou-se um lago, que por sua vez tem no centro uma pequena ilha — tudo isso dentro da ilha de Luzon, no arquipélago das Filipinas. Uma ilha em um lago em uma ilha em um lago em uma ilha. Assim como um começo não é necessariamente uma origem, penso na libélula pousada sobre uma folha que flutua sobre uma poça d’água na pequena ilha vulcânica. 

Hoje nem começo, nem ilha. Palimpsesto.

“A semelhança entre dois seres, a que estamos habituados e com que nos ocupamos em estado de vigília, é apenas um reflexo impreciso da semelhança mais profunda que reina no mundo dos sonhos, em que os acontecimentos não aparecem jamais como idênticos, mas sempre como semelhantes: impenetravelmente semelhantes entre si.”
— Walter Benjamin, A imagem de Proust


(1) “My attempt is to express a conception of history in which the concept of progress would be completely displaced by that of the origin. The historical, understood in this way, can no longer be sought in the riverbed of a course of progress. Here, as I have already observed elsewhere, the image of an eddy replaces that of the riverbed. In such a vortex, the earlier and the later circulate — the pre- and post-history of an occurrence or, better yet, a status of it.”
— Walter Benjamin, Autobiographische Schriften, citado por Sigrid Weigel em artigo na revista Critical Inquiry

* Foto: NASA

Publicado por Paulo Fehlauer

Escritor & fotógrafo & artista visual, mestrando em estudos literários na Universidade Federal de São Paulo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *